Quanto tempo leva o lixo a deixar de o ser?


  • Quando deitas o teu lixo no caixote não fazes a mínima ideia de tudo por que ele passa depois disso. Não penses que simplesmente desaparece!

  • Quer dizer... Até desaparece, mas não é todo ele. Bom, o melhor é explicar tudo como deve ser.

  • Costuma-se dizer que a Natureza pensa em tudo. E não é que pensa mesmo? Até no lixo!
    É que todo o lixo orgânico (o que vem de coisas vivas), que é criado pela própria Natureza, decompõe-se (desaparece) bastante depressa e serve também para gerar energia.

  • Por exemplo, no ciclo da vida, os animais e plantas que morrem tornam-se "lixo orgânico", mas servem de alimento a outros animais ou fazem com que a terra fique mais fértil para dar energia a outros seres vivos.

  • O problema é que o Homem, ao modificar e tentar dominar a Natureza, cria (para todos) problemas complicados de resolver.

  • Apesar de ser o único ser vivo que produz coisas artificiais, essas mesmas coisas podem levar uma eternidade a decompor-se! E são "pequenas coisas" como o vidro, o plástico, a esferovite, as latas, etc.

  • E quando estas coisas deixam de ter uso, ganham outro nome: lixo!

  • E o Homem, quando criou estes objectos tão úteis, não pensou que a Natureza não tem como os decompor à mesma velocidade que o seu próprio lixo. E às vezes até parece que nem se preocupa!!!

    Lê aqui quanto tempo demora o lixo a "desaparecer":

    - O papel e o papelão podem levar de 3 a 6 meses para serem absorvidos pela Terra.
    - Uma simples pastilha elástica pode levar mais de 5 anos!
    - As latas levam uma vida inteira: de 80 a 100 anos!
    - O plástico pode levar até 500 anos! E há alguns que, simplesmente, não se decompõem!!!
    - E agora o pior de todos: o vidro. Sabias que é capaz de ficar um milhão de anos a perturbar a Natureza? As civilizações nascem, desaparecem e o vidro continua lá, firme e forte!

    Por isso é que é tão importante reciclar!
    "Trata" bem do teu lixo!
 

 


 
Política de Privacidade | Termos de Utilização | Quem Somos
- 2001 © Texto Editores - Todos os Direitos Reservados.